Loading...

Soluções de mobilidade que ajudam a reduzir a pegada de carbono

Os carros particulares são responsáveis por dois quintos do CO₂ emitido pelos transportes.

 Se alguns anos atrás as mudanças climáticas eram algo distante, hoje, é impossível negá-las. Sentimos o seu efeito com as grandes ondas de calor, temperaturas recordes, chuvas intensas e alagamentos constantes.  Mais do que nunca, precisamos falar e tomar uma atitude para reduzir a nossa pegada de carbono. Nessa empreitada, todo mundo é responsável, governos, empresas, você e eu. E a mobilidade urbana está no centro dessa mudança.

Mas, afinal, o que é pegada de carbono? O termo vem do inglês (carbon footprint) e é uma métrica que calcula tanto a emissão direta quanto indireta de gases do efeito estufa, incluindo o dióxido de carbono (CO₂) e o metano (CH4). Ou seja, quantifica o nosso impacto no planeta, sendo quanto maior, mais prejudicial ao meio ambiente. E, para que não se tenha dúvida, a pegada da humanidade é a principal responsável pelas mudanças climáticas, segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Atualmente, no Brasil, a estimativa é que cada cidadão emita cerca de 8 toneladas de CO₂ por ano. No entanto, isso preciso baixar, já que a média anual ideal é de 2 toneladas até o final do século. Todo mundo pode conhecer a sua pegada. O site Global Footprint tem uma calculadora fácil de usar que fornece todos os dados para você saber onde está a sua maior emissão.

Soluções de mobilidade - Liquid Works

Mobilidade urbana X pegada de carbono

Se você utilizou a calculadora, provavelmente viu que o maior número foi justamente no quesito locomoção. Contudo, isso não se trata de uma coincidência, os transportes (rodoviário em geral, ferroviário, marítimo e aéreo) são os maiores responsáveis por emissões anuais de CO₂ e os carros particulares representam dois quintos deste total.  Para se ter uma ideia, dados do Relatório de Emissões Veiculares, da CETESB, mostram que no período entre 2006 e 2020, apenas no estado de São Paulo, os veículos emitiram um total de 37 milhões de toneladas de CO₂. Destes, os automóveis foram os maiores emissores.

O grande problema dos carros é atualmente o uso de combustíveis fósseis. Nesse sentido, a sua queima corresponde a 87% das emissões globais de CO₂, segundo a Agência Internacional de Energia (IEA). Em números, isso significou, em 2022, em 29,3 bilhões de toneladas de carbono.  Ou seja, veículos movidos a energia limpa precisam deixar de ser um luxo e se tornarem urgentes. Aproveite e visite dois posts sobre o tema – A mobilidade urbana está preparada para as mudanças climáticas? Matriz energética e o futuro da mobilidade.

Mas, enquanto os carros elétricos ou a biocombustíveis ainda não são a maioria, você pode fazer a sua parte. O uso de transporte público, de veículos compartilhados, de alternativas como bicicletas e patinetes elétricos ou mesmo uma boa caminhada já ajudam a diminuir a sua pegada de carbono. Além disso, melhora a trafegabilidade da sua cidade.

A Liquid Works, por ser uma empresa de soluções tecnológicas voltada a mobilidade urbana, entende a importância desse tema e está atenta e preparada para promover as mudanças necessárias para incentivar uma locomoção mais limpa.